01 outubro 2011

Montreal - com Ottawa e volta a Toronto

Tudo muito pratico no minivoo Tor-Mon. Uma encrenca: malas nao chegaram (a proposito, as de ninguem do voo). Apos protocolarmos reclamacao, bus 747 ate o centro, numa parada DO LADO do hotel. Pratico e barato. Hotel ok e rua, com voltinha pela Chinatown (sempre ela!) e a Velha Montreal. Casamentos mil na Notre-Dame. Voltei pra casa e cochilei a tare, ate ligarem da recepcao, avisando da chegada das queridas malinhas, para alivio do Rafael. A noite, balada com Rafa, pelo Villae, na St. Catherine. Primeiro, um parada no Sky, um multiplex com bar, pub, terraza, e cantora mexicana! Uns drinks e fomos pro Unity, com porta cheia. Outro multiplex, varias pistas e terraza, que na madruga tava cheio de fog do clima frio. Foi divertido mas tudo igual as demais baladas.

Domingo fomos a um cafe local e depois, subimos a pe ate o parque Mont Royal. No comeco, mais frio e calmo, com o passar das horas, cheio e ensolarado. Otimo! Andamos, comemos, dormimos na grama, escutamos um ensaio de uma bandinha boa que iria se apresentar no Challet Mont Royal... passamos pelo Lago dos Castores esaimos pelo cemiterio catolico. Uma senhora caminhada! Depois passamos pela igreja st. Joseph, com seus muitos degraus e devotos subindo de joelhos. Na volta, tomamos a avenida, meio perdidos, e com fome, McDo. Metro de volta pra casa, banho, cochilo etc. Novos drinks num rest cool da St. Catherine e uma paradinha num bar, eu, Si e Rafa, o famoso (como descobrios depois) Mado, com concurso de drags, muita piada em frances (???) e shows divertidos!

A segunda de calor comecou com um belo cafe da manha no Jean Talon, mercado la na mini Little Italy, a qual alcancamos de metro. Um sucesso: crepes, sucos de frutas vermelhas, sanduiches de ciabatta, pirulito de caramelo maple, milho verde doce e creme brulee, na padaria Premiere Moisson, maravilhosa! Descemos (rolamos) a pe pela St. Denis, pelo charmoso Plateau Mont-Royal, passando tambem pelo Quartier Latin. Cansados, paramos num rest mais chiquezinho na St. Cathe, de novo, mas em Downtown. Razoavel. Depois, uma vola pelo bairro e casa! No fim do dia o Thiago, amigo do Rafael, foi ao hotel e combinamos todos o dia seguinte.

Terca mais quente ainda, metro e cafe no mercado Atwaters, com os convidados extras Thiago e Lucas, recem conhecido no albergue do Thiago. O mercado e mais bem mais simples que o Jean Talon mas tinha frutas (berries!) e a mesma padaria. Nova gula! Depois tomamos um rapido metro ate a estacado de trem, onde compramos os bilhetes de ida e volta a Ottawa. Se tivessemos comprado do Brasil, pela web, seria metade do preco, mas tudo bem... Continuamos de metro ate a regiao das instalacoes olimpicas. Fomos ao Biodome, com seus ecossistemas polares, amazonicos e canadenses, e subimos na torre inclinada local. Nada demais. Entramos tambem na area aquatica do complexo esportivo, onde vimos aulas de natacao e treinos de salto ornamental. Voltamos de metro a velha Montreal, almocamos por ali, e passeamos pela beira-rio e ruazinhas. Sorvete medio. Por conta de um show de "luzes e sons" (lembra do Egito?) nao se podia entrar livremente na Notre-Dame. Retorno passando pela velha e nao tao boa China Town e uma parada para um rapido drink num mexicano, muito do mal atendido,antes de uma volta pelo Village e hotel! Ufas!

Quarta foi dia parado, acordamos bem tarde... Um passeio pelo centro para as compras tradicionais. Uma rodada sem fim atrás da cidade subterrânea, shopping e galerias, supermercado pro lanchinho do passeio do dia seguinte etc etc. Almoço no italiano da esquina, bem gostoso e farto! À noite, jantamos numa steak house do bairro, mas muita propaganda e pouca entrega: comida média...

Ottawa ficou pra quinta-feira. Madrugamos pro trem que partia 06h00. Funcional, e com wi-fi (aliás, uma rotina no CAN). Da estação ao centro, pegamos um ônibus com uma motorista não muito amigável... Tomamos café na chegada e fomos direto ao Parlamento, fazer a visita legislativa (olha o Mudado aí!). Muito drama, muito não me toque. Passa. De lá rodamos pela town, pequena mas capital. Mercado, e depois, atravessamos a ponte em direção à cidade de Gatineau, conurbada, já na província de Quebec. Assistimos uma sessão no Imax (o filme Born to be Wild, que tinha visto o trailer na Austrália). Depois, visitamos o Museu das Civilizações, que, além de uma coleção sobre as First Nations (povos nativos) tem uma linda sessão, em rota e ordem cronológica, sobre a história do Canadá. Muito legal mesmo. Pena que o trem de volta era 18h e tive que correr... Lanchamos na estação central, cuja atendente era solitária e muito animada. Dormimos no trem e nem jantamos em Montreal...

Sexta e derradeiro dia foi acordar pra tomarmos o bus até o aero. Lanchamos lá. Rapidinho chegamos em Toronto, no aero da ilha. Táxi, hotel, check in etc. Pra finalizar, as last compras e encomendas. Comemos um burguer diferenciado no mall, bem gostoso. À noite, bem mais frio que a semana anterior, pit stop no McDonalds pro Rafa fazer um boquinha (com direito a conferência municipal de doidos: Queen Latifah, a dona do pedaço, Corcunda de Notre-Dame e seu detergente de Sprite Diet, Penélope Charmosa e sua dancinha maluca e o infame traficante de crack/pedinte...). Fomos ao bar Woodies, de novo, só pruns drinks... Bye, Canadá.

24 setembro 2011

Toronto

Um voo mais longo que sua real duracao, com direito a time amador de futebol panamenho como vizinho! Eita! A imigracao canadense rapida amenizou, mas as malas demoraram um pouco. De taxi ate o hotel foi simples. E expresso, realmente o Holiday Inn Express e. Dormir, porque estavamos um caco.

Segundona pra todos, ferias pra nos. Depois do cafe da manha ok, bater perna. O clima, ameno porem chuvosinho. Fomos a Union Station, e pela Front St. Depois, ao lado da CN Tower, do estadio Rogers, museu dos trens, e beira lago. Uma transeunte ofereceu ajuda ao nos ver com mapa - a primeira de muitos. Os canadenses sao muito gentis. A tal senhora falava portugues, era guia e disse que estava recepcionando "banqueiros", para um evento na cidade... Ate aqui... Depois, subimos pela Spadina av., por entre a Chinatown. E Litttle Italy, com almoco no Cafe Diplomatico. A volta foi pelo centro, Eaton Centre, o shooping local. E hotel. Jantamos na pca de alimentacao do mall, pq os rests que tinhamos avaliado nao abriam na segunda. Subimos ate o Village para um drink final...

Terca feira, clima solar! Melhores fotos! Melhor disposicao! Muita caminhada! Agora pro lado contrario, passando pelo St. Lawrence Market e suas berries e doces! Caminhando e cantando ate encontrarmos o Cafe Gilead, recomendado pelo Frommer's e pelo Zagat. Delicia! Depois passada pela Distillery, onde, pra nossa surpresa, acontecia uma gravacao de um filme, ou serie, ou novela, com cena de perseguicao de carro e tudo o mais. De la, com chuva no shopping...

A quarta veio com uma peca pregada: acordamos cedo e nos organizamos pra ir ao parque Wonderland. Tomamos o metro e, na estacao, fomos informados de que nao havia bus pra la naquele dia! Que raiva! O site do parque comeu mosca e nao avisou que so abriam aos fds em setembro. Resumo: frustracao e improviso. Descemos de volta e saltamos em Bloor-yorkville, bairro bem yuppie. Depois de visitarmos umas lojas por ali, descemos ao museu de arte de Tor, grandao e lindo. Almocamos no respeitavel Frank. Na volta, pela College, por entre a Tor University, bastantes estudantes etc. Para o jantar Wild Wings, pra satisfazer o desejo da Si pelas coxinhas...

Quinta feira de sol, rolou ate bermuda. Acordamos tarde, preguicosos, e fomos almocar no market, um sanduba de lombo bem gostoso da Carousel Bakery. Sobremesa de morangos pra mim, doces para os viciados em acucar! Seguindo a dica do Rafael primo do Luciano, subi ate a Bloor, e agendei corte de abelo no salao: House of Lords, moderno e tradicional. Esperamos a hora tomando um cafe no Second Cup, um dos Starbucks locais. Depois, rolou a volta ate ate a beira lago, supermercado, volta pela Esplanade com direito a um espetaculo de rua sobre casamento (muito legal) e Distillery. Na volta, parada infeliz emuma pizzaria local, muito da mal encarada... Desanimou a gente de sair...

Sexta de chuva traduziu-se em compras, encomendas, mall e afins... Almoco ali mesmo. Um cochilo a tarde. Jantar, com dica do Rafael, no Mexican Grill, um mega burrito com tudo dentro! Delicious! Si foi dormir e eu e Rafa fomos pro Woodies, barzinho. Depois, fomos pro Crews, logo em frente. La encontramos o Thiago, amigo do Rafael, por coincidencia! Duas drags se alternavam no palco por horas, e a pista, no andar de cima, tocava de tudo, muito cuduro angolano, muitas internationals! Foi engracado!Sabado rapidao no cafe e aeroporto, na ilha, uma gracinha, funcional, lounge, quase uma sala vip! Ate Montreal!


18 setembro 2011

Panamá - muito rápido!

Apesar de ter sido dos ultimos a embarcar em BSB, tudo correu muito bem e de modo eficiente. A Copa esta de parabens. O voo nao foi muito longo mas razoavel - e mais que pontual: antecipou a chegada em 1h! E nao so o meu: o de BH tambem, como me disseram Simone e Rafael, me aguardando na area de conexao. Saimos, uma rapida imigracao, e esperamos o guia previamente combinado. Chegou, junto com um motorista - pensei que ia ser o mesmo. Enfim. Fomos ao Canal. Nenhum grande barco a passar. Como eu previa, achei chato. Mas passa. Depois, fomos ao Cerro Ancon, de onde vimos quase toda a cidade. A seguir, Amador Causeway e um almoco honesto. Pelo prazo, uma passada rapida pelo centro historico (queria ter tido tempo de passear a pe) e aeroporto. Nao tinha o transito previsto e avisado porque era domigo. Novamente, imigracao rapida e conexao rumo a Toronto!

02 junho 2011

Sydney - 29 a 01/06

Chegamos com chuva, no Ibis do centro. Demos uma volta ate Darling Harbour, mas com tudo fechado comemos na Pie Face da esquina.

Segundona foi de acordar tarde e bater perna, visitando o velho e bom The Rocks, passeando pelo centro no shopping e acessando web na Apple. Comprei o iPad, convencido pelo Luciano, e voltamos na Apple pra ativá-lo, onde por coincidência encontramos todo mundo, inclusive a Lu e o Thales. Fomos direto pro hotel, pra sairmos logo em seguida, pra ver o Imax, o maior do mundo. Foi razoável. Depois, balada de salsa com Luciana e cia. E casa.

Terça, e último dia, mais bateção de perna, visitamos o Aquarium, almoço no Westfield, descanso a tarde, e jantar final no Angus, com enormes porções de carne! E casa, que o vôo final prometia.



E de fato, o vôo foi encrencado. Atrasou 2 horas, por conta do "sistema de entretenimento", depois, quase chegando em Buenos Aires, voltou pra Punta Arenas, na ponta sul do Chile, esperando umas 2h estacionado na pista até a reabertura de EZE... Lá em Buenos, a Qantas nos deu um golpe e tivemos que tomar um vôo Gol pra Floripa, passar a noite no aerinho de lá, depois TAM a BSB. Às nossas custas! Agora é receber o dinheiro de volta... Depois tantas experiências positivas com a Qantas ela me dá uma dessas? Tsc tsc...

29 maio 2011

Melbourne - 27/05 a 29/05/11

Mel estava chuvosa. Mas nada que prejudicasse a efervescência da cidade. Ficamos hospedados no centro confuso, agitado e prático ao mesmo tempo. Um rápido giro pelos arredores, incluindo a Federation Square. Muitas lojas e cafés depois, uma passada no hotel e saímos pra jantar, tomando o metrô até South Yarra, onde comemos pizza num café simpático da Toorak Road. A volta foi de táxi.

Sábado acordamos tarde e visitamos, eu, Lu e Simara, a National Gallery, que estava comemorando, naquele finde, 150 anos; muito interessante e grande! Encontramos na saída a simpática Denise, amiga da Si, e tomamos um tram ate Carlton, perto da universidade. La, almoçamos no Ti Amo, italiano tradicional. De sobremesa, Brunetti, maravilhosa! Voltamos andando, passando pela Chinatown, iluminadinha. Pra balada, um pub muito animado, onde todos se encontraram.

Domingo derradeiro acordamos tarde, e fomos ate o Ian Potter Centre, na Fed Square. Depois, tomamos o bus turístico, gratuito, que fez um desvio no trajeto tradicional em função do jogo (de rúgbi? Futebol australiano?). Paramos no Victoria Market, ou feira hippie, ou feira do Guará, e depois no bairro do porto, moderno e renovado. Almoçamos no shopping tipo pátio, no Nando's. Depois, hotel e aero, rumo a Sydney.

26 maio 2011

Alice Springs - 24/05 a 26/05

A chegada a cidade, na hora do almoço, foi num miniaeroporto. A atmosfera desértica já se revelava no sobrevôo; a confirmação veio ao nível do solo. Nosso hotel, afastado um km do centro da cidade, era o cenário dos filmes adolescentes de terror, com bangalôs individuais, com recomendações de trancar as portas. O lanche da tarde foi derradeiro, pois a cidade fecha às 17h30. Deu tempo de comer algo no KFC local, incluindo a mui natural coxinha de frango frita da Michele. Ficamos em casa à noite, pois o frio e a distância nos desestimulavam a conhecer o cassino vizinho, supostamente cheio de Crocodilo Dundees. Além disso, o passeio até Uluru no dia seguinte começaria às 6h!

O que se confirmou. A longa viagem de coach, com narradores alternados - o velho do deserto e o jovem de oratoria misteriosa - nos levou at´´e Ayer's Rock e as Olgas. Lá fizemos alguns passeios a pé, contornando as formações rochosas, cheias de significado espiritual para os aborígenes, que são os donos efeivos das terras. Achei mais bonito de longe do interesante de perto. Pefiro as civilizações mais avançadas! No final, um jantar barbecue no por do sol, com direito a espumante e tudo, bastante agradável. A volta foi de sono nas 5h de bus!

24 maio 2011

Cairns - 22/05 a 24/05/11

Um looongo vôo com conexão em Sydney e chegamos tarde da noite na cidade da Grande Barreira de Corais - doravante GBC. Uma horda de hong konguianos baixou com a gente - mas não vimos nenhum convidado do casamento indiano de Queenstown... Chegamos cansados e caímos na cama.

Dia seguinte meio perdido: depois do café magro do hotel, fomos ao banco converter mais moeda, e achar um táxi pra irmos até o skyrail. A surpresa chata: estava fechado inesperadamente naquele dia. Assim, nada de Kuranda e selva tropical... Ficamos então tomando sol na piscina do hotel e, depois de um almoço simples, uma caminhada pela orla. Não existe praia propriamente na cidade. Há uma serie de complexos de alto nível, incluindo piscinas públicas similares a uma praia, quadras esportivas, área pra skate e patins, pistas de cooper e bike, um mega playgroung aquático etc. Bem legal. À noite fomos comer no que parecia o único rest/pub aberto, às 22h!

Terçaa foi o dia de visitar a GBC propriamente dita. Escolhemos um passeio de dia inteiro em alto mar, pelos outer reefs, mais conservados. Michele foi a única a mergulhar e os demais ficaram no snorkel. De qualquer modo, foram maravilhosos! Três locais distintos, com almoço onboard, e muitos corais e peixes. Vi ate tubarão! A volta, em velocidade da luz, deixou marejados Si, Lu e Gaby. Depois, mais um ônibus, de Port Douglas até nosso hotel em Cairns. Fomos jantar num pub muito animado e cafona, que servia comida barata. Era noite do pole dance, e, além de dançarinas animadas do Faustão, o público, homens e mulheres, também competia no poleiro, por $100! Quá!

22 maio 2011

Queenstown - 18/05 a 22/05/11

O vôo saiu cedo de Sydney, com destino a NZ. Um café rápido no aeroporto, e uma viagem tranquila de Qantas, nossa cia. amiga. O desembarque no miniaeroporto neozelandês foi lento, mas ok. A chegada foi num dia claro e impressionante, dada a linda paisagem. O hotel ajudou, e descansamos com muito conforto a tarde. À noite, jantar num pub, uma instituição regional, e cama.

Quinta foi dia de aventura, e, depois do café no panorâmico salão do hotel, subimos de gôndola até o topo das colinas, e saltamos no pêndulo sobre as montanhas! Luciano ganhou a competição de grito mais aterrador, e a Micele ficou em segundo! Haha! Enquanto isso, Si ia pular de bungee num local distante, de uma altura bem maior, e a Gaby foi fazer o trajeto do Frodo a cavalo; Alê fumou apenas! ;) O almoço no Cafe Vudu foi rápido e bom. Um descanso à tarde e jantar à noite na loja de vinhos local, reencontrando Lu e Thales, com muitos espumantes.

Dia seguinte cedo fomos apanhados pelo ônibus da Real Journeys que nos levou ate Milford Sounds, passando por cenários maravilhosos de montanhas, lagos, neve e túnel sombrio! Em MS embarcamos no barco, no qual viajamos por entre os fiordes, com chuva e vento. Jantamos ali com direito até a piano ("Simara's Concerts"), e dormimos nas confortáveis cabines.

A manhã começou cedo, com cafe no barco e passeio de caiaques, pra mim, Mi, Lu e Gaby, e lancha pra Si e Alê. O dia claro ajudou. A volta foi de muito sono, e, após uma tarde calma no hotel, jantar no gostoso Flames.

O último dia de NZ foi bem calmo, tomando café na rua e me atualizando rapidamente na web. Táxi, aeroporto, imigração ( e sua "taxinha de saida" de $25) e bye!

18 maio 2011

Sydney - de 15 a 18/05/11

O longo trajeto começou as 5h da manhã em BSB, passou por SP, por Buenos Aires e terminou 25h depois, as 18h em Sydney. O avião da Qantas é bem confortável e ajudou a tornar as horas menos sofridas. Chegamos, fizemos uma rápida imigração, passamos pelo free shop (primeiro de muitos para as mulheres) e trocamos os dólares com a portuguesa do exchange numa cotação não muito favorável. Tomamos um big táxi até o hostel, muito do moderno e bonito. Lá, no nosso quarto de seis, deixamos rapidamente as coisas e subimos ao terraço, com uma vista mara do harbour. Depois, um passeio pelo Circular Quay com vento e fotos noturnas. Tudo praticamete fechado, restou um restaurante alemão, onde caímos no golpe da comida, com direito a leitão a pururuca, salsicha e vitela! Depois, cama!

Dia seguinte, um lento despertar e arrumar de coisas, apesar do fuso nos ter feito despertar umas 6h. Café da manha gordo no belga Guylian, com muito chocolate. Depois, Harbour Bridge, Circular Quay again, botanical gardens, e Opera House, onde compramos entradas pro balé noturno e fizemos, na hora, um tour pelo building, estonteante. Dali, almoço quick no Mc, novo câmbio no lindo Citi Centre, com muita loja conceito e simpatia, um tour no centro e busca, em nome da Simara, da Chinatown perdida... Depois, Darling Harbour, corrido, balsa para o C. Quay, e balé na Opera - primeiro, uma chatíssima peça temática de xadrez, depois outras duas um pouco melhores. Mas era balé clássico, era tarde, estávamos um caco e desfusados: resultado, dormimos nas poltronas! Ai só deu cama, com uma rápida passada no City Market da esquina.

Na manhã seguinte, ligeiramente mais tarde, café na padaria francesa, trem no C. Quay, conectando em Blactown com um bus local, numa viagem de cerca de 1h até o parque Featherdale Wildlife. Lá, muitos cangurus e coalas, uma graça. Na volta, o grupo se divide. Lu, Simara, Michele e Gaby vão à praia de Bondi; eu e Ale até Darling Hurst (almoço no Gr'lld healthy burgers), Surry Hills, centro financeiro (e as versões australianas do sede III, da galera dos estados...) e, na esquina de casa, um bom espumante! No hostel, reencontro com os demais e jantar no pub vizinho!

27 março 2011

Fort Lauderdale - de 24 a 27/03/11

Esta miniviagem tinha um objetivo: atualizar meu defasado guarda-roupas. Via TAM, BSB-MIA direto, a a novidade de não ter conexão, a farofa de sempre, chegando 06h no aero... Tia Rosana, buscou, coitada, pulando cedo da cama. A surpresa foi saber que ela não trabalharia nem quinta nem sexta, me fazendo companhia no calvário (pra nós) que é fazer compras. Um passada no Publix, fomos pra casa da Eileen, que estava viajando, pois faríamos hospedados por lá pra tomar conta do gato, Curious. Café rapidinho, e direto pra meca dos sacoleiros: Sawgrass Mills. O dia todo rendeu o atendimento parcial à minha lista original de compras. Confesso que eu mesmo desisti de um sem número de itens - não tinha paciência. Outros eram faltantes mesmo - ou escondidos aos meus olhos amadores. Depois, a básica Best Buy. Encomendas (totalmente). Almoço-jantar no mexicano local. E casa.

Sexta começou tarde. Uma passeada pelo shopping Galleria, pra complementar a lista, nada de muito diferente. Fim de tarde à beira dos canais...

Sábado fomos até Miami, pro Bal Harbour. Chique. Mas nada do meu tão buscado óculos Dior Homme. "Só em NY ou Paris", diz a simpática vendedora. Tá bem então. Depois, cavalos! Gulfstream Park, incluindo aposta e espumante. E casa novamente, que tia Rosana tava bem gripada... Domingo cedo, Miami e, direto, Brasília, sem complicações! Viva as milhas!
Ocorreu um erro neste gadget