27 fevereiro 2017

Mandalay

Vôo curtíssimo. Táxi-van até nosso hotel, bem no centro. Acabou o charme de interior. Instalados, almoço no tailandês Thai Min Thar, lento e confuso. Eneida, eu e Si fomos ao Zay Cho, mercado. Na verdade, um conjunto de prédios horrorosos de comércio principalmente de roupas e tecidos. Interesse turístico baixo. Voltamos e descansamos. Saímos mais tarde para um sunset drink no Ayarwaddy River View Hotel, bem agradável, avistando o rio de mesmo nome. Depois, jantar no Bistro 82, caro (para os padrões locais) mas excelente!

28/02 terça

Como achamos que a locomoção pela cidade é horrível (as calçadas são completamente tomadas de mercadorias em estoque e carros e motos estacionados), decidimos fazer um tour pelas três vilinhas próximas, antigas. De van, paramos primeiro no big Mahamuni Pagoda. Depois, lojinha clássica de madeiras e esculturas. Seguimos pro Maha Gan Dha Yon, monastério tradicional em que vimos um pouco do dia a dia dos monges, em Amarapura. Mais lojinha, agora da trabalhosa produção de seda. Fomos então ao topo da colina em Sagaing, para uma vista panorâmica. Descemos e almoçamos, surpreendentemente bom, junto com um casal de suíços. Seguimos para Innwa (ou Ava), atravessando de balsa e tomando uma charrete para percorrer vários pagodas, templos e monastérios. Por fim, a parada final é na ponte U Bein, longa, de madeiras, exclusiva de pedestres. Assistimos o pôr do sol e retomamos para casa. Para jantar, o vizinho Mr. Bar BQ, local e adequado.

01/03 quarta

Derradeiro dia de passeios, contratamos um táxi para nos acompanhar por um tour pela cidade, que é pouco prática para deslocamentos. Primeiro, nos deixou no cais onde tomamos um barco até Mingun, outra pequena vila anciã. Trajeto agradável, o dia começa bem fresco. Visitamos o Mya Thein Tan Pagoda, todo branco e diferentão. Depois, o sino de Mingun, segundo maior do mundo (o primeiro é o de Moscou e o terceiro da Santa Sé). Subimos ao lado do Pahtotawgyi Pagoda, não finalizado. Finalmente, circundamos os leões Pahtodawgyi. Paramos várias vezes nas lojinhas, e depois fizemos um rápido lanche no The Garden Cafe. Voltamos de barco a Mandalay e fomos almoçar no Nova Cofee. Gostoso mas nada excepcional. Na parte 2 do tour, visitamos o Palácio, o lindo monastério Swenandaw, e as pagodas Kyauk Taw Gyi, Atumashi Kyaung, Kuthodaw e, no topo da colina Mandalay, Su Taung Pyae, de onde vimos o pôr do sol. A vista da cidade e do rio é espetacular. Descemos para banhar e jantamos em despedida no Bistro 82. Eu já fazendo minhas últimas contas para evitar novo câmbio. Mas deu certo por meio dos bancos Eneida e Simone - oferta e procura!

02/03 quinta

Café lento, check out calmo, táxi de casa, vôo de boa para Bangcoc.

25 fevereiro 2017

Bagan

Já ma chegada do micro aero, uma taxa geral para o sítio arqueológico. Van para o hotel, para caber as malas. Hotel bem legal, pessoal simpático. Já fomos almoçar no Black Rose, em frente, sempre bom. Depois, passeio pela New Bagan, até o pagoda Lawka Nanda. Voltamos, cochilo e saímos pra jantar na Pizza 2, boa também. Em seguida, uns drinks no Ostello, único bar visível (exceto um outro com show dos Gypsies for Peace, aglomerando locais num rock birmanês, mas alto demais para tolerarmos). Nada mais pra hj.

25/02 sábado

Um bom café no rooftop do nosso agradável hotelzinho. Alugamos e-bikes, motos elétricas, pagamos mixaria. Cada um com sua e eu com Natália na garupa. Pegamos o jeito rapidinho, apesar das minhas saídas ligeiramente instáveis hahahha. Paramos em alguns templos e pagodas ao longo da estrada para Old Bagan e ficamos um pouco confusos no mapa por um tempinho. Mas nada que não se resolva e logo entramos na cidade que é um museu a céu aberto. Passamos por inúmeros templos e pagodas, alguns lotados, outros isolados, alguns em que se sobe. Algumas compras ao longo do caminho - em especial para Nat e Eneida heheheh. Almoço no Star Beam recomendado, excelente. Depois de umas estradas de areia custosas, chegamos a um templo alto, de degraus íngremes. Subimos para esperar o pôr do sol. Foi bonito. Voltamos e devolvemos as bikes para nova carga. Depois de descansarmos, jantar no Star Beam, agora da New Bagan.

26/02 domingo

Madrugada para vermos o nascer do sol, já que não conseguimos vaga para subir nos passeios de balão. Fomos ao Dhammayazaka, um frio, de e-bikes, e custamos um pouco a achar o templo anexo com laje de observação, mas deu certo. Lentamente o sol apareceu e os balões, dezenas deles, surgiram. Voltamos para café e terminar de dormir. Mais tarde, eu, Eneida e Nat fomos à cidade, parando para lancharmos umas panquecas doces com sorvete no The Moon. Agradável! Seguimos lépidos and faceiros para o Palácio Dourado, ou melhor, sua reconstrução. Estava vazio (paga-se a parte e esses estrangeiros mãos de vaca não topam). Não tão impressionante mas gostoso o passeio. Para completar, Eneida, Eneida Maria, Elnida, dentre outros nomes e alcunhas, decidiu homenagear o Carnaval e alugou a fantasia para se tornar Rainha. Wonderful. Várias fotos depois, fomos a mais um templo e depois ao museu, grande e bem estruturado, mais rico que o de Yangon. Decidimos ir passear em Nyang-hu, a terceira cidadezinha da região, onde fica o aeroporto. Almoçamos no delícia Black Bamboo, Simone se encontrou conosco lá. Uma voltinha e separamos novamente. Passamos nos templos derradeiros e, receosos da bateria das bikes se esgotarem, fomos embora. Super legal essa dinâmica. Descansamos e fomos jantar no Delicious, bem pertinho e bom, para fechar com chave de ouro. As meninas até tomaram um vinho birmanês da região do lago Inle! Teve bom!

27/02 segunda

Eneida e Nat foram ver o nascer do sol novamente. Dessa vez, passei. Tomamos café e fizemos check out para tomarmos o próximo vôo.

21 fevereiro 2017

Yangon

Yangon

Chegamos, imigramos, táxi até o hotel, uns 45 min. Saímos para jantar, atmosfera de cidade asiática pobre, sim, mas bem maior e mais desenvolvida do que imaginei. Sentamos num bar copo sujo da rua suja 19th. A comida foi bem boa, mojitos a usd 1. Voltamos para dormir, cansados.

21/02 terça

Acordamos para o café da manhã e saímos para a volta pela cidade, já animada. Vende de tudo nessa Yangon. Fomos até o Sule Pagoda, central. Uma paradinha no parque Maha Bandulq, em frente à prefeitura. Depois, trajeto ao longo da feia marginal, e chegamos ao Botahtaubg Pagoda, grande e diverso. Paramos num pub para comer, foi médio. Voltamos pra casa, resolvi o chip do celylar com Internet, descansamos e saímos novamente. Fomos caminhando, longa e caoticamente, até o famoso Shwedagon Pagoda, épico. Ficamos para o pôr do sol e o acender das luzes. Lindo. Voltamos de táxi e comemos no copo sujo.

22/02 quarta

Sem pressa, saímos para o Museu Nacional, caminhando. Grande e até organizado, faltam recursos. Seguimos para o Maha Wizaya Pagoda, mais recente e diferente. Continuamos caminhando até o parque Kandawgyi, onde tiramos um cochilo clássico. Levantamos e tomamos um táxi até o Nga Htat Gyi Pagoda, no alto. Atravessamos a avenida e visitamos o templo Chaukhtatgyi Buddha do big buda reclinado. Voltamos caminhando e paramos no Vista Bar para um lanche e drink. Depois, uma volta pelo bairro e táxi até em casa. Ficamos por lá e nem jantamos.

23/02 quinta

Café, passada na Parisian Bakery, e caminhada até a estação de trem. O ticket é baratinho. Entramos no trem para fazera volta pela cidade e entorno, que dura 3h. Após 1h, o trem parou e pediram para descermos e esperarmos. Por falta de entendinento, nós e vários estrangeiros não sabíamos qual trem pegar. Esperamos quase 1h. Por fim, desistimos. Pegamos o trem de volta e saltamos numa estação próxima ao lago Inya. Fomos caminhando, região universitária. Paramos num shopping pequeno para comermos algo e acabou que Eneida comprou seu novo celular por ali. Fomos a atração da loja. Depois do lanche, continuamos pela avenida e tentanos chegar ao lago, mas o acesso por ali estava bloqueado pelas embaixadas e mansões. Me lembrou Brasília. Desistimos, estava muito quente, e pegamos um táxi, que quebrou logo em seguida! Tomamos outro e descemos no mercado Bogyoke, bem grande, para algumas compras. Já estava começando a fechar. Valeu a pena. Paramos no bar rooftop Sky Bistro para um drink de despedida. Fomos a pé para casa, pegamos dinheiro para jantar e última ceia no copo sujo. Ufa, cama!

24/02 sexta

Café e táxi para o aero. Estrutura boa. Um pouco de atraso mas de boa. Vôo pequeno e confortável.

19 fevereiro 2017

Manila

19/02 domingo

Manila

Acordamos, tuk tuk, miniaeroporto, security check manual, loungezinho, avião teco teco! Atraso de 2h, mas vôo tranquilo. Rapidinho chegamos em Manila. Uber até o hotel em Ortigas. Saímos para dar uma volta, fomos ao Mega Mall, um shopping gigante, com todo tipo de loja e estabelecimento, incluindo uma igreja católica superpopular. Voltamos para nos arrumarmos e fomos de Uber a um restaurante filipino bem cotado de Manila. Estava cheio, acabamos acomodados no Irving, do mesmo complexo. Pedidos montes de pratos de ambos restaurantes, e valeu a pena! Realmente excelente! Volta de táxi e cama.

20/02 segunda

Madrugamos total e tomamos um uber até o aero. Vôo tranquilo até Kuala Lumpur. Lá, uma longa conexão, mas não o suficiente para fazer um passeio pela capital da Malásia. Mas o aero é bem grande e estruturado, foi de boa. Almoçamos no Hot Wok, bem bom. Fiquei assistindo séries e logo tomamos o vôo para Yangon, em Myanmar.

15 fevereiro 2017

El Nido

14/02 terça

El Nido

Depois do café, esperamos a van. A viagem foi longa, quase 5h. Algumas paradas, conhecemos Evelin, a organizadora do transfer, muito simpática. São dois hotéis diferentes, depois eu e Si fomos aos hotéis dos meninos para comer no rest da frente, bem gostoso. Dali, fomos à praia, Las Cabanas, super bonita, drinks e pôr do sol. Voltamos, banhos frios /semiquentes. Meninos. Passaram pelo hotel às 21h para irmos jantar no centrinho. Comemos em um restaurante sem maiores atrativos mas comida ok. Voltamos de tuk-tuk e cama.

15/02 quarta

Tomamos café da manhã e fomos informados que os passeios de barco foram cancelados devido ao vento. Assim, mudamos de rumo e fomos à praia Nacpan, de van. Uns 45 min depois, chegamos à big praia, ampla e bonita. O dia estava lindo e o mar um pouco agitado. Lá pela 13h da tarde caímos no erro de pedir comida numa barraca. Demorou 1h30 pro primeiro prato chegar e, por fim, não vieram todos. Desistimos e eu, Thiago e Eneida saímos com fome. Pegamos a van e paramos na cachoeira Nagkalit-Kalit, um passeio com um guia apressado, 45 min pelo mato até uma cachoeirinha simples. Nada demais mas valeu o passeio. Na volta, paramos direto no centro, azuis de fome, na pizzaria Altrove, recomendada. Foi delícia! Sorvete, umas comprinhas e voltamos. Descansamos um pouco, combinamos o passeio do dia seguinte com a simpática ajuda do Mark da recepção e voltamos ao centrinho para um suco e um par de drinks: a primeira rodada no Mezzanine, ótima estrutura, som tão alto que me fez ir embora. A segunda, no Rooftop, agradável e tocando samba! Depois, cama!

16/02 quinta

Saímos depois do café, de tuk tuk até o centro. Lá, tomamos o barco para o passeio "A". Comprei comidinhas de padaria. O dia estava nublado mas claro. Primeira parada, Big Lagoon. Snorkel, águas claras, pessoal de caiaque etc. Seguimos para Secret Lagoon, uma entrada cavernosa com fila de INSS, divertido mas não lindo. Depois, parada para almoço na Shimizu Island. Frutas, arroz, peixe, lula, mexilhões, porco, salada... Golfinhos no caminho! Seguimos para Small Lagoon. Estava um pouco chego de barcos, pessoal chegou a considerar desistir. Ainda bem que não! O sol saiu, alugamos caiaques, é muito bonita a "lagoa". Por fim, Seven Commando Beach, que descemos apenas para cochilar! A volta foi rápida, um suco no centro e volta pro hotel. Saímos pra jantar, a loja de câmbio fechada e tive que pegar dinheiro emprestado. Um vibe doente de todos (menos eu, ufa) e comemos no grego Agora. Gostoso. Eu e Nat tomamos um drink saideira no Rooftop e depois bora pra casa.

17/02 sexta

Cancelado o passeio por motivo de: doença geral. Fiquei assistindo série no celular. Eu e Si viemos almoçar no Odessa Mamma, ucraniano. Nublado, fomos direto à praia Las Cabañas, e encontramos o Rafa. Ficamos lá entre drinks e cochilos a tarde toda. À noite, todos se reencontraram na pizzaria. Depois, drinks no Rooftop. Foi dia de férias das férias :)

18/02 sábado

Como combinado, após o café, fomos todos ao centro, tentar arranjar um passeio do tour "C". Procuramos a meama Gea, que conseguiu um privado em conta, ainda que saindo um pouco depois para dar tempo de organizar as comidas. Compramos sonhos e brownies na padaria e voltamos à praia de Corong Corong, a do nosso hotel! Saímos enfim, num barco maior com 4 tripulantes. O dia estava ensolarado e após quase uma hora de navegação, paramos na Secret Beach, novamente "descoberta" depois de passar um buraco na pedra, mas dessa vez nadando. Bonito e com corais ainda resistindo aos turistas. De lá, Star Beach, com snorkeling mara, uma "caída" no mar muito bonita. Ali também almoçamos, no estilo peixe, frango, arroz, frutas. Foi ótimo. Seguimos para perto de Matinloc, num outro ponto de snorkeling, mas sem ser em praia, no mar mesmo, circundando a ilha. O cenário estava tão maravilhoso, só nós ali, que Simone desceu ao mar de colete e usou a máscara! Superação! Todos extasiados, continuamos. Iríamos a Hidden Beach, mas o mar agitado impediu. Fomos direto à Helicopter Island, na praia, linda demais. Os corais também eram especiais, e a transparência da água muito impressionante. Um rápido cochilo e fomos à última e improvisada parada, ponto de camping. Praticamente só a gente, fizemos nossa despedida ritual do mar filipino... Deixará saudades... Voltamos até Corong Corong, tomamos banho e saímos para encontrar todos no hotel dos meninos: Nat recebeu o convite para que todos fôssemos conhecer um resort próximo, pois haveria uma festa de inauguração. Promissor, lá fomoa, junto com outroa hóspedes, filipinos, num ônibus jardineira local. Andou muito, passou o centro, o aeroporto, entrou numa quebradas poeirentas... Chegamos num complexo hoteleiro tipo Sauípe, ainda em construção. Só que a tal festa era uma espécie de eventinho de bairro, com (poucas) barraquinhas (simplórias), um palco com música calma e una poucos locais que pareciam funcionários e sua família. Down. De imediato, Si, Thiago e Rafa voltaram, num tuk tuk que surgiu. Nós, os demais, demos mais uma chance mas nem a comida tava atraente. Decidimos ir embora e conseguimos carona com uma van que havia trazido outras vítimas hahhaha. Reencontramos. No Ágora grego, sem luz todavia, para frustração do Rafa que esperava coner uma moussaka não mais disponível. Comi até, troquei um pouco mais de dinheiro, suficiente para os últimos dois dias de Filipinas e casa!

12 fevereiro 2017

Puerto Princesa

12/02 domingo

Puerto Princesa

Cedão, check out, van, barco, ônibus e aeroporto! Lanchinho (pandesal) e vôo a Manila. A conexão foi até rápida. Vôo para Puerto Princesa. O hotel é ao lado do aero, fomos a pé. Comemos e saímos. Os motoristas dos tuk tuk nos sugeriram outro destino que não o insosso centro, visitar a praia de Nagtabon. Levamos 1h, descemos uma parte do trajeto a pé (as motos não davam conta). Nublado e até chuviscando. Mas melhor que ficar no hotel. Mas aos poucos o sol abriu e a atmosfera laid back hippie local valeu a pena demais. Muito gostosa a praia. Na volta, uma subida meio empurrada no tuk tuk com quatro pessoas hahahha. Mas de boa. Valeu a pena o passeio inusitado. Banho e jantar no Kinabuchs Grill. Farto, gostoso, popular: acertamos. Cama direto!

13/02 segunda

Acordamos cedo, de novo, pro café da manhã e pra sairmos na van do passeio ao rio subterrâneo. O caminho tortuoso durou 2h. Lá no porto em si, mais espera, pois no dia anterior os passeios haviam sido cancelados devido ao mau tempo. Esperamos quase 2h, mas o dia estava bonito e fiquei de papo com Mamun, um hóspede de Bangladesh. Finalmente, pegamos uns barcos com destino à area de proteção ambiental, muito maravilhosa, e depois outro barquinho para navegar no rio subterrâneo em si. Recebemos audioguides e, com ajuda da lanterna do barqueiro, fomos acompanhando as formações. Muito legal, bem bonito mesmo. Voltamos, barco, van, sacudidas. Fui um pouco à piscina do hotel mas o vento me mandou pro quarto. Banho e cochilo, depois jantar numa praça de alimentação bem simpática, gostosa e barata, a Baga Baga Puerto, que agradou a todos. Meu chinelo arrebentou na rua, fiquei descalço um tempo e comprei um par novo na lojinha no caminho de casa. Ufa. Dormir!

08 fevereiro 2017

Boracay

Lá, desembarque remoto que nos deixa no aero no centrinho, van, terminal de barco lotado, vários tickets a comprar, espera, barco a Boracay, tuk tuk enfezado, ufa, hotel! Esse demorou! Pé na areia, praia do kite surf. Nos instalamos e saímos para comer no restaurante vizinho, drinks e almoço. Depois, descanso à beira do mar, eu e Nat treinamos um pouco, banhos e saímos para jantar no centro. Era aniversário da Si, e comemoramos no grego Cyma, delicioso! Depois, passamos no Epic. Deixei a turma na balada que ia se formando e fui dormir, caindo de sono!

09/02 quinta

Madruguei, tomei café, esperei os meninos refastelado. Fomos todos à praia, White Beach. Muito bonita, água claríssima, cheia de gente, mas como é muito grande não incomoda. Dormimos e nadamos bastante. Trocamos de posição (da station 2 para station 1) e depois fomos para casa, passando pelo onipresente DMall. Treininho rápido. À noite, tuk tuk até o fim da station 3, em busca do restaurante Congas, tão divulgado pelo Thiago. MAS, estava caído! Terminamos em um outro, gostoso o suficiente. Tuk tuk de volta e cama. 

10/02 sexta

Dessa vez a Nat acordou e corremos e treinamos pela manhã. Depois do café, fomos os dois à Phuka Beach, de tuk tuk elétrico, com parada para troca de bateria! Super bonita, mais vazia, mas também superfaturada. Ainda bem que havíamos passado na bakery next door. Mais tarde, Si, Thiago e Rafa chegaram (Eneida fora mergulhar). Ficamos a tarde toda lá, bem agradável. Voltamos no tuk tuk e lanchamos no DMall. Descansamos e voltamos para o jantar no Damiana's, e seus mojitos de lichia. De novo, a turma foi ao Epic e eu fui dormirzzzzz. 

11/02 sábado 

Havíamos planejado alugar um barco para rodear a ilha mas o tempo nublado nos fez mudar de ideia. Decidimos ir a Ilig Iligan, linda, um pouco mais afastada e praticamente deserta. Ficamos acomodados numa barraca fechada. De início, o tempo estava feioso, com alguma chuva. Mas logo abriu, solar e resplandecente. Mais uma vez, muitos brownies da nossa padaria preferida. Pra voltar, nenhum tuk tuk disponível. Arranjamos uma moto que nos levou, de dois em dois, até a entrada de Phuka Beach, onde tomamos o tuk tuk. Descemos em DMall, almoçamos no Cyma, nosso preferido, margaritas delícia. Seguimos oara beira mar no Damiana's, com direito a mojitos em dose dupla da happy hour. Despedida do mar de Boracay, comprinhas rápidas e casa, para arrumar mala e deitar cedo.

06 fevereiro 2017

Bangcoc

Saí bem cedo de Brasília, descendo em Congonhas. O Ale gentilmente me buscou e fomos ao MIS juntos, onde vimos a exposição sobre o Sílvio Santos. De lá, à avenida Paulista, para encontrar com Renato e sua amiga. Fomos a pé até o velho e bom Ritz para almoçar. Ale se foi para um compromisso, demos uma volta e passada rápida no hotel do Renato para buscar a mala que eu tinha guardado. Despedida... Tomei um uber até GRU, fiz um rápido check in e fui aguardar. Encontrei as meninas, Si, Nat e Eneida e embarcamos. O vôo Air China até Frankfurt foi ok, sem novidades boas ou más. Umas horas em FRA, atravessa o aero, carimbo de entrada e carimbo de saída na UE (?) e vamos ao segundo vôo, até Pequim. Desembarque remoto a 0 grau, despreparado para essa temperatura, mais sala, big aero etc. Último vôo para BKK, que atrasou.

06/02 segunda

Bangcoc

Desembarque, documentos, dinheiros etc etc. Táxi até o nosso querido hotelzinho. Encontro com Rafa e Thiago. Já fim do dia. Mais câmbio, frutas e jantar no rest delícia do hotel. Depois, em ato comemorativo pelo aniversário vindouro da Si, subimos ao rooftop, o Sky Bar, vizinho. Par de drinks caríssimos, bela vista, povo cafona. Vale a visita com amigos. Depois, cama, pois o fuso cobra sua taxa. 

07/02 terça 

Acordamos light, grupo se divide entre eu e Si, veteranos da Bangcoc nossa, e os demais. Um café de boa no supermercado da velha Robinson e caminhamos no bairro. Tracei um roteiro de templos lado B. Começamos pelo hindu Sri Maha Mariamman, em semireforma. Voltamos e tomamos o barco para descermos na estação perto do Grand Palace, o qual circundamos. Algum evento especial em honra do falecido rei ocorria e muitas pessoas de preto se aglomeravam. Seguimos até o Wat Ratchapradit, depois Wat Suthat, Loha Prasat, pausa para café, Wat Bowonniwet e Wat Intharawihan. Voltamos até a infame Khao San Road para um suco. Tomamos um táxi, ultra barato, até os shoppings: MBK, os Silom, Central World. Nada de celular pra Si. Voltamos para o hotel de metrô. Jantar em casa mesmo. Cochilo rápido até a hora de sair pro aero. 

08/02 quarta 

Madrugada, chamamos os uber, check in etc etc. Café da manhã e vôo. Cedo, em Manila, mais comida, troca pesos filipinos, alguns vão pro hotel do aero. Longa conexão até o próximo vôo, para Caticlan.
Ocorreu um erro neste gadget